RSS

Arquivo do autor:Restaurante À La Carte

Como ler os rótulos de vinhos franceses.Part.II


   Nesta segunda parte deste capítulo, darei um exemplo de como decifrar todo o rótulo de um vinho francês.

Bordeaux

  Minha escolha do rótulo deste Château abaixo foi por ter sido, sem dúvida alguma, o melhor vinho que já degustei até então. Tenho uma grande admiração por este produtor, não é dificil de se imaginar o porque. 

  Agradeço meu grande amigo Paulie, um habitué de uma das grandes redes em que trabalhei, por este grande presente.

Índice

  

1. Mis en bouteille au Châuteau (Engarrafado no Castelo):

-Termo francês que descreve o vinho que é produzido e engarrafado em seu Château onde cultiva suas uvas.

2. Gravura do Château onde as uvas são cultivadas:

 -Na lei francesa consta que se há uma gravura do Château no rótulo ele realmente terá que existir. O que você vê é realmente como é.      Referência:  Kevin Zraly ( Edição 2005), Windows on the World- Complete Wine Course.

Veja foto abaixo e compare com o rótulo do vinho acima:

3. Grand Cru Classé en 1855 (Grand Cru classificado em 1885):

  -Classé en 1855: Em 1855, Napoleão III, imperador da França, decidiu organizar uma Exposição Universal de Paris, um tipo de feira mundial, queria com isto os vinhos de seu país representados.  Através deste principio, os vinhos de Bordeaux, pela primeira vez foram classificados de acordo com a qualidade de seus produtos, havendo uma revisão oficial somente em 1973, foi quando o tão famoso esforço de Baron Philippe de Rothschild consegui finalmente elevar seu vinho para o ranking de “First-Growth” ou “Primeira Classificação”. A menção da classificação de 1855 no rótulo do vinho acima é relativo a este fato histórico. Referência: Wine Spactator online, postada em 29 de março de 2007.

    -Grand Cru: “Grande cultivador” ou ”Grande Cultivador Classificado”.  Na França é um termo legal para certos vinhedos, históricamente identificando os vinhos exepcionais de certas regiões.

4. Cos D’Estournel:

  -Vinícula.

5. Saint-Estèphe/Apellation Sait-Estèphe Controlle:

  -Sain-Estèphe: Uma “denominação” em Médoc- Bordeaux.

  -Appellation Saint-Estèphe Controlle: Nome central indíca a denominação da origem do vinho. Nomeclatura indica que o vinho é padrão A.O.C. (O maior rigor de controle de qualidade da França)

6. 1995:

  -A data acima indica a safra das uvas, é o ano em que foi feita a colheita das uvas do vinho.

7.  Domaines Prats S.A./Saint-Estèphe/France.

  -Razão Social da vinícula/Denominação/País.

  Realmente, comprar um vinho francese não é uma tarefa tão simples como pensamos, para dificultar um pouco mais, estas regras variam de acordo com as regiões vinículas da França.

  Dúvidas, sugestões, etc?  Deixe um comentário,

  Obrigado e abraços mais uma vez,

  Josias Reis.

 

Entendendo os critérios dos rótulos dos vinhos franceses. Part I


  Para entender de rótulos dos vinhos franceses, primeiramente temos que entender alguns princípios básicos das leis governamentais que regulamentam este setor.

  Os vinhos cujos os rótulos tem a designação A.O.C., são os vinhos com maiores critérios de produção da França. Somente 35% de todos vinhos produzidos na França tem os critérios para atende-los.

  É interessante lembrar que a nomenclatura dos rótulos dos vinhos do chamado Velho Mundo, geralmente os vinhos europeus, não trazem, de modo geral, os nomes das uvas e sim da região onde foram cultivadas, diferente dos rótulos dos vinhos do Novo Mundo, como Argentina, Chile,  América do Norte, Oceânia, etc, onde discriminamos a(s) uva(s)  do vinho. 

  Segue abaixo as classificações dos vinhos franceses de acordo com sua importância e qualidade de forma crescente. Maior para menor grau de exigências para obtenção da classificação:                

 A.O.C.

Appellation d’Origine Contrôlée ( Denominação de Origem Controlada)

  A mais importante classificação de vinhos da França. Estabelecido em 1930, as leis da Appellation d’Origine Contrôlée, ou  A.O.C., determinou requerimentos mínimos para cada área de produção de vinho na França. As leis da A.O.C. podem também auxiliar-nos a decifrar os rótulos como a varietal das uvas, estilos, etc,  já que ela controla os seguintes fatores:

1. Origem geográfica

2. Varietal da uva: Qual uva pode ser plantada em qual região.

3. Teor alcoólico mínimo: Varia dependendo da área particular onde as uvas são cultivadas.

4. Práticas de vitivinicultura: Denominação do volume que o  cultivador pode produzir de vinho por acre.

  Por esta única informação podemos concluir que o vinho é da sub-região vinícula de Graves/Pessac-Léognan da província de Bordeaux. Região produtora de vinhos tintos, vinhos brancos secos e também os doces. É a única sub-região de Bordeaux que é famosa por produzir os três principais tipos de vinho de toda a  província. Por esta informação, também posso definir que se for um vinho tinto, será um vinho mais robusto que da região de Médoc, por exemplo. Saberei também que as principais uvas da região são, se tinto for, Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet franc. Realmente, pela “simples” origem do vinho, podemos ter muitas informações. Veja no exemplo abaixo:

Vin Délimité de Qualité Supérieure

(VDQS)

  A classificação VDQS (Vinho Delimitado de Qualidade Superior) ou também classificado como AOVDQS ( AO representa: Appellation d’Origine) são vinhos que também obedecem restrições de qualificação como volume de produção, varietal da uva entre outras.

  Estão logo abaixo da classificação A.O.C. Sua produção representa abaixo 1% de todos vinhos da França. Os vinhos VDQS tipicamente, após alguns anos, sobem no ranking em sua classificação,  fato pelo qual tem pouca representação em termos de quantidade produzida, mas não em qualidade. É prevista a eliminação desta categoria no ano de 2011.  Abaixo um exemplo de rótulo VDQS:     

 Vin de pays

  Esta é uma categoria que tem crescido muito em sua importância. Em 1979 uma decisão legal na França liberou regras para esta categoria, permitindo o uso de uvas não tradicionais em certas regiões, liberando também as vinícolas colocarem em seus rótulos a varietal da uva ao invés do nome da região, para exportadores  do Novo Mundo, onde os consumidores  estão acostumados a comprar vinho pela varietal da uva. Cabernet Sauvignon, Chardonnay, etc. Ex: Veja um rótulo na fig. abaixo.

Vins de Table

  Este é o simples vinho de mesa que representava até 2005 quase 35% de todos os vinhos produzidos na França.

  A maioria dos vinhos franceses são produzidos para serem consumidos como uma bebida qualquer. A maioria dos Vin de Table são vendidos através do nome do proprietário e são equivalentes aos vinhos em jarra da Califórnia.

  O teor alcoólico pode variar entre 9 à 14 %. Você escolhe seu teor de acordo com o que tem para fazer no restante do dia. Veja um exemplo de rotúlo na figura abaixo. 

Ao comprar seu vinho sempre tenha em mente que há diferenças não tão somente em preços, mas em qualidade também.

Fontes: Kevin Zraly (2005 edition), Windows on the world- Complete wine course.

   Amante de vinho, independente de sua categoria, já encontrei excelentes produtos de acordo com a proposta proporcional a seu preço. Não podemos ter medo nunca de arriscar!

Boa Sorte,

Por hoje é só,

Josias Reis. 

 
 
%d blogueiros gostam disto: